segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Festa sem música não é festa!

Antes que o fim do ano acabe realmente, encontrei a canção que embalará as festas do todos nós. Então, vamos à música!

*

*

*

*

"Fim de Ano", Francisco Alves e David Nasser

*

Adeus ano velho
Feliz Ano Novo
Que tudo se realize
No ano que vai nascer.
Muito dinheiro no bolso
saúde pra dar e vender

Para os solteiros
Sorte no amor
Nenhuma esperança perdida

Para os casados
Nenhuma briga
Paz e sossego na vida

E o Fim do Ano Chegou!

Adeus Ano Velho!

Feliz Ano Novo!

Lá lá lá lá lá...................

*

Por problemas graves de memória, não foi possível completar a canção. Porém, apesar da falha, gravíssima, o blog PALAVRA ESCRITA deseja a todos os leitores e leitoras um Maravilhoso Ano Novo, repleto de Alegrias, Felicidades, Paz, Saúde, Dinheiro (para pagar as dívidas do começo do ano), Sucesso, Amor, Trabalho, Viagens e Muita LITERATURA. Porque sem ela a vida se torna um eterno Ano Velho!

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Acabou!!!!!

Demorou, mas acabou! Eis que chega ao fim mais um ano letivo. E pensar que foram exato 200 dias de lições, trabalhos, provas e seminários, etc. Enfim, 2007 acabou, terminou, finalizou, foi desta para uma melhor! Entretanto, não é possível, ainda, dizer se esse ano letivo foi bom ou não, pois sua conclusão é recente. Faz pouco mais de uma semana que ele terminou. Logo, não dá para dizer algo sobre ele. Mas a sensação que fica... não é das melhores.

2007 foi sem sombra de dúvida um ano difícil. Com inúmeros desafios, obstáculos e problemas. Enfrentei novos projetos, que até este ano me eram desconhecidos. Atravessei muralhas muito maiores que as da China. Fugi de pedras gigantescas que rolavam mais rápidos que as de Indiana Jones. Claro que estou sendo extremamente subjetiva, mas vamos às dificuldades.

Ao contrário dos outros anos, trabalhei em dois períodos e com mais gente. Gente pequena, que ainda está descobrindo o mundo e a vida. Não posso negar que foi divertido, contudo chegou uma hora que as coisas que pareciam ser divertidas se tornaram complicadas. Por mais se fizesse, ou se falasse, era mais fácil sentar e esperar as coisas acontecerem.

Segundo momento difícil: dois caminhos tão parecidos, mas com tantas diferenças.


Se o meu primeiro ano como professora foi desafiador, o terceiro foi assustador e super, hiper, mega problemático. Sempre enfrentei obstáculos, que me ajudaram a ser o que sou hoje. Porém, este ano a barreira foi digna de guerra fria. No melhor estilo USA versus USSR. Agora se você é um leitor muito novo, pensa nesta imagem: X-men versus Vingadores! É a mesma coisa. Claro que eu era os mutantes, mas... troca à imagem. Era X-men versus Magneto, Apocalipse, Bastion, Sentinelas... Enfim, todos os inimigos dos mutantes dentro de uma sala só! Só tem um detalhe: era 1 contra 40, mais ou menos (na realidade, era menos que isso, mas como eu sou péssima em número, fiquemos no 40).

Provavelmente, o leitor atento vai dizer que estou fazendo drama ou exagerando. Certo! Estou aumentando um pouco, contudo as brigas eram tão freqüentes, que algumas vezes pensei ser um dos X-men lutando desesperadamente contra várias Sentinelas. Ademais, senti-me a pior professora do mundo. Por mais que tentasse, não conseguia fazer a única coisa que sei fazer: ensinar. Entretanto, ainda magoada com tudo o que aconteceu, algo me diz que esse empate será importante, essencial num futuro próximo. Mesmo que o esqueça, as lições permanecem e colaborarão para o meu crescimento, de algum modo. O problema só está no quando vou usá-las. Espero saber o quando.

Sinceramente, 2007 não deixará saudades. Ao contrário, por um minuto, pensei que ele jamais acabaria, contudo, ele acabou. Dia 21 de dezembro, o ano mais longo da minha vida terminou. E ficará onde deve ficar: na memória, como uma velha história que só retornará quando alguém resolver contá-la.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Feliz Natal

É véspera de Natal. Véspera de reunir a família e comemorar o nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. Véspera de trocar presentes, amor e alegrias. Véspera de esquecer o passado e de esperar o futuro. Um futuro com mais paz, com mais alegrias, com mais felicidade.

Então, Feliz Natal para todos os leitores do blog PALAVRA ESCRITA. E que o espírito natalino ilumine a todos, sem exceção!

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

A crise da folha de papel em branco

Quem acompanha este fabuloso blog, já deve ter notado que ele não é constantemente atualizado. Quando não é a falta de tempo por parte da autora, é a folha de papel em branco que atormenta esta que vos fala.

É algo grave, que ataca de vez em sempre. Principalmente, quando preciso escrever. Como numa luta entre herói e vilão, a folha de papel em branco surge onipotente e poderosa, pois sabe que eu, o escritor, não tenho chance contra ela. Não tenho chance contra ela??? Como? Ela é uma folha de papel e eu sou um ser humano! Nem na mais maluca das histórias, o papel ganha do homem. Tem alguém bebendo por aqui! Rsrsr

Mas piadas a partes, a luta entre papel e escritor tem me afligindo frequentemente. É como se me faltassem idéias ou palavras. Na realidade, idéias tenho ao montes, contudo falta-me o click para colocá-las no papel. Não que eu escreva motivada por algum espírito divino ou por alguma musa grega ou romana, ao contrário, sempre escrevi inspirada pela razão, pela lógica de que posso comandar a mente e escrever. Porém, descobri que, às vezes, por mais que as idéias estejam doidas para pularem na folha em branco, elas precisam de um estralo para fluírem tranquilamente do mundo das idéias para o mundo matéria.

A imagem é bastante filosófica, não? Mas ela explica perfeitamente a crise entre autor e papel, pois diante dela é inevitável não chorar ou se angustiar. Se as idéias não chegam à folha, não há texto, e se não há texto, não há leitor. E sem leitor, não há escritor que sobreviva, porque é dessa relação, autor e leitor, que nasce a pequena e a Grande Literatura. Que o diga Antonio Candido.

sábado, 15 de dezembro de 2007

Quando a palavra é mais forte que a espada

À medida que nascem os textos que habitaram este blog, ressurgem do passado imemorial algumas histórias, em geral fragmentadas, do meu contato com a palavra escrita e, consequentemente, com a Literatura.

Uma dessas histórias era a de um livro. Lembro-me claramente que era lilá e na capa tinha uma ilustração, retirada de uma das histórias. Além disso, suas folhas eram firmes, como a destes livros infantis feitos de papelão. Porém, o que me atraia nele não era a cor ou o material de que era feito, e sim a história ali presente.

O livro tinha duas narrativas. A primeira era Aladim e a Lâmpada Mágica. E a segunda, Ali Baba e os Quarenta Ladrões. Das duas histórias, a mais lida e relida era a do Ali Baba. E acredite, ela era relida constantemente!!!! Eu tinha... Não. Ainda tenho uma grande paixão por esse texto. Quem dera se pudesse tê-lo em mãos...

“Abre-te sésamo!”

Com uma força mágica inexplicável, uma parte de minha infância foi marcada pela palavra “Abre-te sésamo!”. Cada vez que Ali Babá dizia “Abre-te sésamo!” diante daquela caverna repleta de tesouros magníficos, abria-se também uma outra, que só ganharia concretude anos depois: a paixão pela palavra escrita.

De repente, não mais que de repente, as histórias lidas e ouvidas, quando criança, ganharam significado. Mais do que isso, ganharam um colorido que jamais imaginei que elas possuíssem. Porém, essa descoberta ocorreu há pouco tempo, numa das inúmeras sessões da tarde da vida, quando assisti ao filme As Mil e Uma Noites.

Dentre as mil e uma histórias contadas por Sherazar para entreter o sultão, eis que se inicia a narrativa de Ali Babá, que por um acaso do destino, descobre o esconderijo de 40 ladrões. Atento a toda a movimentação do bando, Ali Babá guarda não só o caminho da caverna com os vários tesouros, como também a palavra que abre a caverna: “Abre-te sésamo!”.

Foi inevitável não me lembrar do antigo livro, da antiga história e, principalmente, o que aquela narrativa deixou em mim! Confesso que além da lembrança, a emoção surgiu também, marcando-me profundamente. Entretanto, mais que lembranças e emoções, essa história revelou-me algo a mais: minha paixão pela palavra escrita e consequentemente, pela Literatura.

Se hoje tenho uma fortíssima ligação e paixão pela Literatura, provavelmente ela nasceu durante as inúmeras leituras de Ali Baba e os Quarenta Ladrões. A cada nova leitura, a semente da Literatura era plantada, para floresce anos mais tarde e não morrer jamais. Claro que essa história não foi a única a influenciar-me, porém ela foi a Primeira, a Origem de todo um trabalho que pouco a pouco cresce esperando o momento certo para dar os frutos. Na verdade, a semente literária já deu frutos. Um deles é este blog, que lentamente vai desabrochando em meio ao caos climático que aponta no horizonte.

É natural, portanto, que este espaço virtual se chame PALAVRA ESCRITA. É obvio e evidente, especialmente, depois de tudo que comentei anteriormente. A palavra é, para mim, pedra chave, mola principal na construção do texto, seja ele ficção ou dissertação. Para a palavra não existe limite ou restrição, pois a palavra é dona de uma força superior a milhões, bilhões e trilhões de espadas. Porque enquanto esta marca o corpo, aquela marca a alma, profunda e eternamente.

sábado, 1 de dezembro de 2007

1º de Dezembro: Dia Mundial de Luta Contra a Aids



A foto acima, tirada do Uol Ciência e Saúde, mostra um soropositivo contando tabletes de drogas anti-HIV, na Tailândia. O curioso nessa imagem é as luvas com estampa de ursos pandas, sugerindo um ar quase infantil para uma doença tão mortal, como a Aids.

domingo, 18 de novembro de 2007

Oh dor que continua!!!!!

Há menos de um mês, relatei aqui as dores que sofri, incluindo as duas visitas ao hospital. Porém, a famigerada dor insiste em aparecer e a continuar a doer!

Quem tem menos de trinta ou mais de trinta, provavelmente já assistiu aos desenhos do Pica-pau, do Pernalonga, do Tom e Jerry, entre outros. E como de costume, esses personagens sempre sofrem algum acidente, como, por exemplo, levar uma cacetada na cabeça. Em seguinda, surgem inúmeras estrelas, que giram sobre um significativo galo.

Agora, o que tem isso com a minha dor que continua? A resposta é simples! As estrelas que aparecem nos desenhos animados existem mesmo! Elas são tão reais quanto à dor que uma queda provoca. E digo isso por experiência própria!

Não sei precisar a data, mas no inicio deste mês, cai bonito!!! Igual a jaca madura que cai da árvore! Foi uma queda digna de Vídeo Cacetada. Além de mim, caiu também a cadeira, fazendo um barulho monstruoso (Ainda bem que o morador do andar de baixo não estava, caso contrário, teríamos reclamações, não?). Mas como ela aconteceu?

Estava eu no banheiro, lavando as minhas lindas mãozinhas, quando resolvi buscar na lavanderia um pano para enxugar a pia. Sai, digamos assim, um pouco rápido e ao tentar fazer a curva para direita, escorreguei batendo o joelho direito na cadeira, e o braço esquerdo no chão. Detalhe importante, o chão do banheiro estava molhado.

Como já disse, não foi só eu que cai. A cadeira da sala de jantar também caiu. Imagina o barulho? Foi grande e ALTO! Entretanto, aquele ruído não foi tão alto quanto à dor que senti! Ela foi milhões, bilhões, trilhões de vezes mais forte que o barulho. Sem contar que vi varias estrelas girando sobre a minha cabeça! Por um minuto me senti o próprio personagem de desenho animado! Mas a dor não era como nos desenhos!

Ao longo de uma semana, o joelho e o braço, mais precisamente, o cotovelo, ficaram doloridos. Não podia nem mexer direito que doía. Até para andar ou para subir escada, o joelho reclamava. Hoje, passado mais de uma semana do ocorrido, estou bem melhor. A dona dor se foi. Espero que ela não volte tão cedo e se voltar, por favor, seja como nos desenhos animados: leve e com solução rápida!

domingo, 4 de novembro de 2007

A caveirinha dançante dançou!

Em minha última postagem, sugeri que todos entrassem no Yahoo! México e olhassem no alto da tela, no lado esquerdo, uma caveirinha dançante, que balançava os ossos com um simples passar do cursor!
*
Infelizmente ela dançou, literalmente! Assim como a festa do mortos no país do sombreiros! Com o fim das comemorações, o Yahoo! retirou a animação do ar! Agora só nos resta esperar pelo próximo 2 de novembro e torçer para que a dançarina esquelética volte com novos passos!

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Día de los Muertos!

Como todos sabem, espero que todos saibam mesmo; o Dia dos Finados é uma festa animada e colorida no México. Herdeiros das tradições maias e astecas, os mexicanos comemoram esse dia com comida, bebidas e doces! Todos participam!

Eu particularmente adoraria testemunhar a festa mexicana ao vivo e a cores! Mas enquanto isso não acontece, a internet ajuda a diminuir distancias. Olhem só a foto que encontrei no Yahoo! México.
*
*
*
*



Sugiro também que você, caro leitor, entre no site do Yahoo! México. No alto da página, no canto esquerdo da tela, há uma caveirinha que dança quando você coloca o cursor sobre ela! Para vê-la dançar, é só clicar aqui! E Feliz Día de los Muertos!

sábado, 27 de outubro de 2007

Oh dor!!!!!

Dor: sf. 1. Méd. Sensação de sofrimento, decorrente de lesão e percebida por formações nervosas especializadas. (Aurélio, 2001, p. 245)

De duas uma: ou o dicionarista nunca sentiu dor ou a definição de dor não dá conta do significado real e altamente dolorido que uma “lesão” causa. Num espaço de mais ou menos 15 dias, senti a dita cuja acima explicada. E nas duas situações, fui ao médico. Então vamos às dores e aos médicos.

A primeira dor foi no estomago. Provavelmente provocada por algum alimento estragado ou virose que resolveu dar o ar da graça justo naquele dia. Na verdade, não sei por que fiquei deste jeito: dor de barriga, mal estar, pressão baixa... Enfim, uma dor horrível. Meu estomago parecia uma sanfona, de tanto que virava.

Já a segunda aconteceu esta semana. Dormia eu, tranquilamente em minha caminha, quando resolvo me virar... Ai!!! O pescoço trava e não vira nem por decreto. Vale ressaltar que esse fato não foi a primeira vez que ocorreu. Mas ao contrário das outras, desta vez a dor foi milhões, bilhões, trilhões pior!

Dada à tamanha dor, em ambos os casos, fui ao pronto socorro e nas duas vezes lembrei-me do seriado da Warner, E.R. (no Brasil, recebeu o nome de Plantão Médico). Caramba! Com tanta dor, por que fui me lembrar desse seriado? No mínimo esperava ser atendida por algum médico bonitão do programa, né? (A dor, quando muito intensa, provoca delírios!). Porém, ao esperar pelo atendimento médico, percebi o quanto o país está doente. Pior, a saúde pública brasileira está nas últimas, isso se já não morreu. É chover no molhado, eu sei. Entretanto, é nestas horas que notamos o quanto estamos pobres de assistência médica, de educação, de segurança... de tudo!

Agora sei por que a minha dor não é igual ao do Aurélio, pois não era apenas a dor física, era a dor de consciência e de preocupação. Apesar de ter sido razovalmente atendida, como fica quem precisa de um BOM atendimento? Espera o Plantão Médico virar programa tupiniquim?

Como já disse, a dor, quando muito intensa, provoca delírios e quando não, causa momentos reflexivos.

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Ilha Deserta


Achei a Ilha! Linda não? É! Agora só falta os livros, o protetor solar, a água...

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Ainda Vou Fugir,

Mas não vai ser desta vez!
*
Infelizmente, tal desejo terá que ficar para outra ocasião! Quando será isso? Não sei! Na verdade, gostaria de fazer isso agora. Fugir e voltar daqui alguns dias, semanas, meses, anos; demorar mesmo. Um lugar legal para ir e demorar seria uma ilha deserta. Sim! Com certeza, não teria que preocupar com nada. Levaria apenas alguns livros, um protetor solar, água e desfrutaria tranquilamente o silêncio profundo e intenso que só uma ilha deserta pode oferecer!
*
Já resolvi! Vou fugir para uma ilha deserta!

terça-feira, 23 de outubro de 2007

Estou Fugindo...

... para a Espanha! Ou Seria melhor ir para Argentina?
*
Qual é a mais perto? com certeza é a Argentina! Claro que tem avião, mas posso ir também de ônibus! Nesse caso, até as minhas moedas de ouro seriam suficientes! Daria na medida certa! E ainda poderia praticar o meu espanhol!!!
*
Hola! Qué Tal? Me llamo Cláudia. Y tú? Cómo se llama?
*
Qué rico! Voy a la Argentina!!!!!!! Hasta luego, chicos!!!!!!!
*
*
*
*
*
*
*
Volto em breve para dizer se realmente fui ou foi só mais um grande engano!

Vamos Fugir Para...

... China!
*

Tudo bem que na China todo mundo fala chinês. Mas seria surreal entrar na Cidade Proibida! Morada do último imperador! Sem contar que a China tem a maior população do mundo! Claro que a viagem vai ser surreal também. São varias horas de avião, escalas, paradas... ou seja, é um looooooooooooooooga viagem. Ah, mas eu adoro andar de avião, desde que ele não caia né? Então, fui!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

*
*

*
*
*
*
*
*
*

*
*
*

Olha eu de volta! Descobri que sem chinês, não se chega nem na rua de cima! Será que eles não entendem nada mesmo de português? :P

Vamos Fugir Para Outro Lugar?

Dando seqüência as fugas... uma vez que Paris está financeiramente inviável, eu fugiria para Ouro Preto.


Ouro Preto é uma cidade maravilhosa. Ali História e histórias transpiram por todos os lados. A partir de novembro, outras histórias serão contadas. De 1 a 4 de novembro, acontece a 3ª edição do FORÚM DAS LETRAS. Imagina um lugar com vários autores nacionais e internacionais, falando de LITERATURA. Será o paraíso na Terra, com certeza! Estou saindo agora! Fuuuuuuuuuuuuuuuuuuuui!







Voltei! Não foi desta vez mesmo. O chefe não gostou muito da viagem. E, segundo ele, o paraíso não fica na Terra e nem no Céu!


Mas eu sugiro que você vá. Dá uma olhada nos anjos-escritores que estarão lá. É só chicar
aqui!

Vamos Fugir?

Ah que idéia maravilhosa, sensacional! Sem contar que é o título de uma música do nosso ilustre ministro da Cultura, Gilberto Gil. (Em tempo: prefiro o cantor Gilberto Gil. Mas voltemos ao fugir.)
*
Para onde você, carissímo leitor, fugiria se pudesse? Eu ... eis algumas das opções.
*
Eu fugiria para Paris! Cidade Luz, Cidade berço do Iluminismo, do Romantismo, do Amor... Seria maravilhoso ir para Paris agora. O problema seria o aeroporto. Demoraria mais tempo esperando o avião do que a viagem propriamente dita! Mas ainda sim, fugiria para lá! A Cris está lá! Paris não será mais a mesma depois da minha presença! Fuuuuuuuui!
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
Mas já estou de volta! Na verdade, nem fui! Descobri que falta muitas moedas de ouro no meu cofrinho para comprar a passagem! O jeito é fazer uns extras e ajuntar mais moedinhas! Caso contrário, hasta la vista Paris!

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Professor é ....

Individuo que leva luz aos ignorantes que vivem nas sombras do conhecimento.
Ser ignorado e desrespeitado que pacientemente luta, luta, luta e luta.
Criatura que num passado foi idealizada, mas que agora idealiza um futuro.
Alguém que com recursos minímos ensina que saber tem a ver com prazer.
*
*
*
*
*
À todos os Professores e Professoras deste grande país envolto em trevas, um Belissímo e Felicissímos Dia dos Professores!

terça-feira, 2 de outubro de 2007

O Dinossauro da Amazonas!

ATENÇÃO!
*

Foi visto em Curitiba um enorme Dinossauro! Segundo as autoridades locais, ele não é perigoso! Pelo contrário, ele se mostrou super simpático e convidou a todos para irem no lançamento do seu gibi, na Gibiteca da cidade. Olha ai o convite! Legal, né? rsrsrs
*
*
*
*
*

*
*
*
*
*

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Dia Mundial Sem Carro, mas com muita Poesia!


Poema Todo Verde, Cyro de Mattos*
*
*
O verde de todas as chuvas
escorrendo em chão de infância
amado nas flores ideais.
O verso de todos os ventos
brincando na várzea intensa
amanho de eterna paz.
O verde de todos os pássaros
cantando na irmandade dos ares
aragem de rações iguais.
O verde de todos os sóis
iluminando geografias impossíveis,
armadura de colheitas matinais.
*
Carregado de verde nas nuvens
molhar o mundo fero e solitário
pelos quatro cantos cardeais.

*
*
*
*
*
*
*
*
*
*Jornal da Poesia

Dia Mundial Sem Carro!

Desta campanha já participo algum tempo, pois não tenho carro. E cada dia que passa, percebo que ter um, é piorar o que já está péssimo: a cidade de São Paulo! Tudo aqui tem piorado: transito poluição, barulho! Fico imaginando como será o futuro da cidade da garoa no próximo século. Melhor ficar com o próximo ano, porque de repente o próximo século pode não chegar!
*
Trágico não? Realmente! E quem me conhece sabe que sou bastante otimista! Logo, acredito que essa situação negra pode mudar, porém será necessário algum esforço, como não usar o carro hoje, dia 22 de setembro. E quem sabe, não usar o carro todo dia 22 do mês! São Paulo e os pulmões agradeceriam muito!
*
Vale observar também que isso não se restringe apenas a São Paulo, mas é uma idéia mundial. À medida que o gás carbônico cresce e domina a paisagem, o colorido da Natureza e o ar puro dos pulmões e do mundo minguam signficamente! Ou seja, ou se diminui o negro poluidor dos automóveis, ou num futuro não muito distante, cadê a otimista?, o PLANETA AZUL terá que mudar de nome para PLANETA PRETO. Preto de poluição, de fuligem, de gás carbônico...

domingo, 16 de setembro de 2007

Por que este blog tem tanta LITERATURA

Recentemente lancei uma pergunta muito importante. Por que este blog posta tanta Literatura? Esperava muitas respostas, mas infelizmente elas não chegaram. Na verdade, elas chegaram, porém não na quantidade imaginada. Tanto que alguém ai está dizendo:
*
"Quantidade não é qualidade!!!"
*
Sim!, quantidade nunca foi qualidade, ao contário, qualidade é muito melhor que quantidade! Contudo, isso não se aplica a doces, principalmente, se estes forem deliciosos! E devo confessar que a resposta recebida foi deliciosamente divina!
*
"Anônimo disse...
Sei lá... talvez porque Literatura seja a única coisa publicável neste mundo...rsrsrs!"
*
Dada por um amigo, que de anônimo não tem nada, a resposta acima foi certeira e direta! Revelou sem dó e piedade que no mundo só há uma coisa publicável: Literatura! E o meu querido amigo está certo! Literatura é a única coisa publicável neste mundo e nos outros espalhados por ai! Apesar de mal tratada, despresada, odiada por alguns, especialmente por aqueles que não sabem nada da vida, (vocês sabem de quem estou falando né?), noto que ela, ao poucos, vai ganhando espaço. Pode ser um espaço mínimo, minúsculo, mas está ganhando. Tanto que vou ajudar duas jovens com pouco mais de 13, 14 anos a montarem uma sala literária, numa feira cultural!
*
Por essa e outras questões, que o mundo só terá mais cor, se houver LITERATURA. Claro que estou delirando, mas imagine a vida sem delírios, sonhos, fantasias, ficções? No mínimo, ela seria muito DENOTATIVA ou com cara de DICIONÁRIO.

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Uma resposta para A pergunta que não quer calar!

Para aqueles que não conseguem espera mais, solucionaremos tal mistério em breve. Aguarde os próximos capítulos de...
*
*
*
POR QUE ESTE BLOG TEM TANTA LITERATURA.
*
*
*

A pergunta que não quer calar!

Caro Leitor ou Leitora deste belo espaço virtual chamado blog.
Alguma vez, ao longo deste belo primeiro ano de vida, vocês se perguntaram por que eu, dona deste blog, posto tanta poesia, contos, romances, etc.., enfim, publico LITERATURA?
Alguém? Eh, você ai no fundo da tela, sabe por quê? E o senhor ai, de camisa ou camiseta? Sabe? E a senhorita de olhar fixo e sério? Sabe por que aqui tem tanta Literatura?
Um bom tempo depois... Aguardo, ainda, uma bela resposta para essa tão bela pergunta!

Mudei de casa, mas não mudei a preguiça!

Confesso! Sou preguiçosa! E depois de uma mudança bastante tumultuada, ela só poderia aumentar. Mas devagar vou despreguiçando o pensamento, as mãos, os dedos e a vida.
De repente, lembrei-me de um poema de Carlos Drummond de Andrade. O poema em especial é "Poema de sete faces" e o trecho é o seguinte:

"Mundo mundo vasto mundo
se eu me chamasse Raimundo,
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração."
 
 
Realmente, se meu nome fosse Raimundo... Mas não. Não me chamo Raimundo, porém o mundo me é vasto. Sinto-me pequena diante dele. Sinto-me miníma diante dele. Eu sou microscópica diante dele. Apesar disso, sinto que posso conquistá-lo e dominá-lo. Será?
 
 
Não. Não posso té-lo, pois a preguiça ainda me persegue e me domina, mas será por muito, muito pouco tempo! Pode apostar! :)

E que venha a MUDANÇA!!!!!!!!

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Da terra ao céu!

Exatos 15 dias depois... Aqui estou eu novamente! Nada como um pequeno hiato entre uma postagem e outra, não é verdade? O que seria deste blog se não fosse os constantes atrasos, ou melhor dizendo, constantes intervalos? Claro que eu prefiro recreio, mas intervalo está bom!
*
Então voltemos ao assunto do mês: Mudanças!
*
Para quem chegou agora, pegou literalmente o blog andando (caso o leitor queira, pode ser bonde também!), comentei anteriormente, que tinha me mudado. E por causa disso, o aniversário do blog, entre outras coisas, não se realizaram. Mesmo que eu quisesse, atualizar o Palavra Escrita estava fora de cogitação! Eu tinha mudado, mas a linha telefônica... Mudemos de assunto!




Como todos podem ver, no desenho acima, agora estou perto do céu! Ou pelo menos próximo dele. Digamos que estou 56 degrais longe da terra. E isso é uma distância significativa. Claro que não é a mesma distância entre a Terra e a Lua, mas é quase isso! Porém, mais do que ficar quase perto do céu, é poder ver o horizonte plenamente, sem cortes, uma vez que estou acima das construções que crescem desordenamente e mudam e fragmentam o nosso olhar.
*
Às vezes é possível tocar as nuvens, as estrelas, o infinito. Poder voar se tornou real! Não há limites quando se mora próximo do céu. Na verdade, o céu é infinitamente ilimitado e belo. E daqui do alto, posso vê-lo completamente inteiro e pleno, como ele sempre foi!
*
Para celebrar o olhar agora renovado, uma poesia do Mestre Alberto Caeiro.
*
*
VII - Da Minha Aldeia*

Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver no Universo...
Por isso a minha aldeia é tão grande como outra terra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não, do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista à chave,
Escondem o horizonte, empurram o nosso olhar para longe
de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos
nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a nossa única riqueza é ver.






*Jornal de Poesia

terça-feira, 7 de agosto de 2007

Mas antes de começar, vamos explicar!

Algumas postagens anteriores, comentei que faltavam 48 dias para que este simpático (pelo menos eu acho, né? rsrsr) espaço de escrita completaria seu primeiro ano de vida. Lembro-me também que aproveitaria para relembrar a origem do blog, segue texto:
*
"(...) Para comemorar, resolvi que repensar o início deste espaço, mais especificamente, a sua origem. Cá entre nós, não será tarefa fácil, porém, será interessante rever o passado. Mesmo que ele seja simples e relativamente breve." (10/06/2007)
*
Provavelmente, você, caro leitor, dirá que eu não passo de uma grande mentirosa! Que assim como alguns políticos, prometo e não cumpro! Sem contar os inúmeros termos de baixo calão, dirigidos a minha pessoa. Mas, infelizmente, a festa e o momento "Recuerdo" não se realizaram.
*
Além disso, nenhum texto foi postado, passado ou mandado! Na verdade, esta que vós escreve não tinha como escrever, mesmo querendo fazê-lo, não era possível! Tinha uma mudança no meio do caminho! Mas uma vez instalada, chega a hora de cumprir antigas promessas, pois não há coisa melhor do que, de repente, receber uma surpresa inesperada!
*
E que venham as surpresas!

Agosto, mês do cachorro louco?

O título acima foi dito hoje, por um colega de trabalho. É no mínimo curioso, não? Tanto que resolvi usar a distinta frase como título não só do texto de hoje, mas de uma série de textos que (espero) escrever. Como uma introdução. Um aperitivo para textos mais suculentos.
*
Então, vamos ao aperitivo!

quinta-feira, 2 de agosto de 2007

Cadê o mês de Julho?

Informamos que o mês conhecido como o Mês das Férias tirou férias, literalmente.
*
Quando ele volta?
*
Em breve. Até lá, vocês, leitores, terão que esperar! :)

domingo, 10 de junho de 2007

Reflexões de Meio de Ano

Faltam aproximadamente 48 dias para que este simpático e sempre "atualizado" blog complete seu primeiro ano de vida. A data será histórica, pois não é todo dia que se faz aniversário, principalmente, aniversário de um ano.
*
Para comemorar, resolvi que repensar o início deste espaço, mais especificamente, a sua origem. Cá entre nós, não será tarefa fácil, porém, será interessante rever o passado. Mesmo que ele seja simples e relativamente breve.

O Silêncio Silencioso









Use a Imaginação!



...................................................................................
..................................................................................
.............................................................................
..........................................................
.........................................................................
...............................................................................
....................................................
................................
..............................................................
..........................................................................
..........
...

*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
Use a sua imaginação, pois a minha está ocupada! :)

segunda-feira, 28 de maio de 2007

Friiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiio!!!!!!

Que frio é este que nos congela? que nos paraliza? q...u....e.. n..o..........
*
*
*
*
Pausa para um rápido descongelamento mental.
*
*
*
Após um pequeno hiato intelectual, voltei! De onde, não me perguntem, pois não saberei responder! rsrsrsrsrs
Nada como uma piadinha (sem graça!) para animar a semana.

sábado, 7 de abril de 2007

Março Voooooooooooooooooooooooooou

O mês das águas realmente voou. Assim como o país, que tem voado cada vez mais para o buraco, ou seria para a cratera? Será que ele não teria voado para algum paraíso fiscal ou para Miami, na esperança de, quem sabe, passar a mão algumas gravatas de grifes e dizer depois que a culpa era do remédio?

Março voou mesmo, porém os problemas de aterrissagem e de decolagem continuam. Cada dia que passa, surgem mais e mais apagões e com eles aparecem supostas soluções! Agora só nos resta esperar que o mês de Abril seja mais iluminado e com vôos mais constantes e certos!

terça-feira, 27 de fevereiro de 2007

Já acabou o Carnaval...

então voltemos ao trabalho!
*
Diz "a boca pequena"* que o nosso queridíssimo país só começa a trabalhar depois do carnaval, quando não, em março. Porém, ainda não estamos no mês das chuvas, e o carnaval, este já foi tarde! Sendo assim, não custa nada enrolar mais um pouco né?
*
Pensando bem, acredito que seja melhor, mas muito melhor mesmo, voltar a trabalhar. Mais especificamente, voltar a blogar! E melhor ainda se a nova postagem começar com um neologismo. Que o diga Guimarães Rosa! :)
*
*
*
* Em homenagem a Joelisa Dias.

domingo, 11 de fevereiro de 2007

Mas o ano só começa em março!!!!!

Correção urgente e necessária!

Realmente, o ano só começa em março, tanto que já estamos em abril. Porém, tenho, às vezes, a impressão de que 2007 ainda não começou!!!! Ou será apenas impressão?

sábado, 3 de fevereiro de 2007

Acabou o que era doce!

Acabou! Terminou! Fim! Já era! Foi-se! Zé fini! Expirou! Enfim, acabaram-se as férias!

O período mais divertido da vida de qualquer ser humano chega ao fim. Seja lá qual tenha sido o destino, praia ou campo, sem se esquecer da cidade, é claro; não trabalhar por um mês é algo realmente maravilhoso! Não tem coisa mais relaxante do que descansar e fazer o que não se faz durante o ano, como, por exemplo, ver TV até tarde, navegar na net até tarde, passear até tarde... em suma, fazer nada até tarde!

Claro que cedo ou tarde a folga acaba e só nos resta criar coragem, ajuntar as energias, agora recuperadas, e partir para luta, para o labore, para o trabalho nosso de cada dia!

Vale lembrar que há alguns poucos brasileiros, poucos mesmos, que trabalham “tanto” pelo país, que precisam de mais de um mês de férias! Para esses “privilegiados”, boas férias! Já para os demais brasileiros, estes sim, trabalhadores no sentido mais completo da palavra; uma ótima volta ao trabalho, aos estudos, a correria estressante e diária de cada dia.

Porém, devo ressaltar que muito em breve teremos um pequeno intervalo, que nos levará novamente a praia, ao campo, ao descanso, ao lazer.....

quinta-feira, 25 de janeiro de 2007

São Paulo, Feliz Aniversário!

453 anos. 453 anos de presença marcante na vida do país. Mais que um país. São Paulo é um mundo. Sendo um mundo, seus problemas são também mundiais. Porém, São Paulo só é São Paulo, pois seus problemas já se tornaram ponto turístico, já se incorporaram a sua dinâmica, ao seu ritmo; ao balanço do metrô que se nunca atrasa. Só cai na cratera!

São Paulo é...
transito caótico e congestionado.
filas enormes para tudo que se imagina.
shoppings finos e chiques contrastando com os simples e populares.
25 de março repleta de cor, odor e perfume.
Centro velho e Centro Novo.
Avenida Paulista e Avenida Celso Garçia.
Itaim Bibi, Moema e Jardins.
Itaim Paulista, Jardim Platanal, Guaianazes e adjacências.
Famílias quatrocentonas e novas ricas.
Paulistano e imigrante (de qualquer lugar)
Mansões e favelas.
Corinthians e Palmeiras.
USP e Mackenzie.
Carros e motoboys.
Metrô e Trens
Trabalho e badalação.

São Paulo é contraste. É pobre e rico, feio e bonito, grande e pequeno, longe e perto, alto e baixo. É silêncio e barulho. É dia e noite, sempre. E sempre será o centro. O centro do Brasil e do mundo! E estará principalmente no centro do meu coração!

São Paulo, Feliz Aniversário!