sábado, 31 de outubro de 2009

Hoje é Dia do Saci!

Então, vamos comemorar!












É inevitável! Sempre que se fala do Saci, eu lembro do Sítio do Pica-Pau-Amarelo! E claro, de Monteiro Lobato!

sábado, 17 de outubro de 2009

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Eu já li um Nobel de Literatura!

Observando atentamente a lista de ganhadores do Nobel de Literatura, descobri que nem todos são ilustres desconhecidos! E que alguns já foram até lidos! Embora algumas leituras tenham se perdido na memória...

Comecemos, então, pelos autores conhecidos. Isso não quer dizer que, um dia, eles não se tornem lidos!

Luigi Pirandello, autor italiano, escreveu peças de teatro, poemas e romances. Apesar de nunca ter lido nada dele, lembro-me vagamente ter visto a encenação de uma de suas peças. O problema é: qual texto?

W.B. Yeats foi poeta, dramaturgo e místico. Sei de sua obra, que nunca li, porque Jorge Luís Borges se referia muito ao escritor irlandês em seus textos.

Thomas Mann é alemão, mas sua mãe – Júlia da Silva Bruhns – era brasileira! Descobri isto num documentário sobre ela, que passou na TV Cultura há algum tempo. Seu livro mais conhecido é A Montanha Mágica (1924), porém foi com Os Buddenbrook (1901), que Mann ganhou repercussão e destaque.

Hermann Hesse, também alemão, mas se naturalizou suíço, em 1923. Seu romance mais famoso é O Lobo da Estepe (1927), lido e referido mais de uma vez por Clarice Lispector.

T. S. Elliot ou Thomas Stearns Eliot foi poeta modernista, dramaturgo e crítico literário. Já ouvi falar muito desse autor, contudo, nunca o li.

William Faulkner é um grande autor americano. Conheci sua obra numa palestra realizada em 2001, se não me engano. Segundo o professor que ministrou a palestra, cujo nome não me lembro, Faulkner vale a pena ser lido!

Ernest Miller Hemingway é autor de O velho e o mar (1940). Ele é conhecido também por ter morado em Cuba, após a Segunda Guerra Mundial. Além disso, ele é avô da atriz americana Mariel Hemingway, e sua obra, ou pelo menos um trecho, foi lida pelo anjo, papel de Nicolas Cage, no filme Cidade dos Anjos.

Jean-Paul Sartre, francês, que recusou o Nobel de Literatura. Companheiro de Simone de Beauvoir, Sartre é o pai do Existencialismo. Provavelmente já devo ter lido algum texto dele em algum passado bem distante!

Miguel Angel Astúrias, guatemalteco, tem vários textos como a novela Homens de Milho (1949). Quando se fala de realismo mágico, seu nome é sempre citado, já que suas obras focam tal estética.


Quanto aos lidos, alguns deles tenho até livro! Porém, devo avisar que de outros só li um texto, o suficiente para inclui-los na lista.

De Rudyard Kipling li apenas um poema chamado “Se”. Entretanto, só o descobri quando li “O ‘se’ de Kipling”, do poeta grego Kóstas Varnális. Os dois são bem interessantes. Recomendo a leitura de ambos!

Gabriela Mistral é poetisa chilena. Li pouca coisa dela, mas são poemas de temas variados, como amor, memórias pessoais. Detalhe importante: quando li Mistral, li no original!


Juan Ramón Jiménez é outro de língua espanhol que li no original. Seus textos são maravilhosos e falam de beleza e de natureza. Recomendo a leitura de qualquer poema de Jiménez começando pelo texto “Poema 5”, do livro Eternidades.

De Albert Camus só li O Estrangeiro. Foi a leitura mais rápida que já fiz. Deve ser por isso que não me lembro dele!

Samuel Beckett é irlandês e pai do teatro do absurdo. Já li alguns de seus poemas. Grande autor mesmo!

Pablo Neruda é maravilhoso! Descobri sua poesia no filme O Carteiro e o Poeta! Tenho alguns livros dele e recomendo qualquer um, pois esse autor chileno é sem sombra de dúvida, maravilhoso.

Gabriel García Márquez é colombiano e continua na ativa. Já li alguns contos dele e adorei. Ele faz uso do realismo mágico para contar suas histórias. Seu livro mais famoso é Cem Anos de Solidão. Há outras obras tão conhecidas quanto esta e algumas já viraram roteiros de cinema, como O Amor nos tempos do cólera e Ninguém escreve ao coronel. Recomendadissímo!

Camilo Jose Cela é espanhol e dele só li um livro: A família de Pascual Duarte. Porém, não pergunte sobre a história... ela simplesmente sumiu!

Octavio Paz é poeta mexicano. Assim como Gabriela Mistral, li poucos textos dele, mas são poemas lindos, com belas imagens, como em “Escrito con tinta verde”. Belíssimo!

José Saramago poderia entrar na lista dos autores ganhadores do Nobel que apenas conheço, mas que nunca foram lidos. Entretanto, já li uma parte de seu discurso quando ganhou o Nobel, em 1998. Tenho até curiosidade de ler seus romances sem pontuação, contudo falta-me tempo ou paciência para lê-lo? Agora sobre o discurso, ou parte dele, este sim é muito bom, como também polêmico!







Fonte de pesquisa: Wikipédia

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Prêmio Nobel de Literatura

Hoje, a Academia Sueca, em Estocolmo, anunciou o vencedor do Nobel de Literatura de 2009. A ganhadora foi a escritora alemã Herta Müller. No Brasil, a escritora só tem um livro publicado – O Compromisso –, lançado em 2004, pela Editora Globo e com tradução de Lya Luft.

Depois dessa notícia, publicada pela
Folha Online, resolvi pesquisar e saber quem já ganhou o Oscar da Literatura e saber também se entre os vencedores existe algum escritor conhecido ou quem sabe lido! Porque a premiada deste ano, é uma ilustre desconhecida!

Mas vamos aos vencedores!*

2007 Doris Lessing (Reino Unido, mas ela nasceu no Irã e cresceu no Zimbábue)
2006 Orhan Pamuk (Turquia)
2005 Harold Pinter (Reino Unido)
2004 Elfriede Jelinek (Áustria)
2003 J.M. Coetzee (África do Sul)
2002 Imre Kertész (Hungria)
2001 V.S. Naipaul (nasceu em Trinidad e Tobago, mas ele vive no Reino Unido)
2000 Gao Xingjian (França)
1999 Günter Grass (Alemanha)
1998 José Saramago (Portugal)
1997 Dario Fo (Itália)
1996 Wislawa Szymborska (Polônia)
1995 Seamus Heaney (Irlanda)
1994 Kenzaburo Oe (Japão)
1993 Toni Morrison (Estados Unidos)
1992 Derek Walcott (Santa Lúcia, ilha do Caribe)
1991 Nadine Gordimer (África do Sul)
1990 Octavio Paz (México)
1989 Camilo Jose Cela (Espanha)
1988 Naguib Mahfouz (Egito)
1987 Joseph Brodsky (EUA, de origem russa)
1986 Wole Soyinka (Nigéria)
1985 Claude Simon (França)
1984 Jaroslav Seifert (Tchecoslováquia)
1983 William Golding (Reino Unido)
1982 Gabriel García Márquez (Colômbia)
1981 Elias Canetti (Reino Unido, de origem búlgara)
1980 Czeslaw Milosz (Polônia)
1979 Odysseus Elytis (Grécia)
1978 Isaac Bashevis Singer (EUA, de origem polonesa)
1977 Vicente Aleixandre (Espanha)
1976 Saul Bellow (EUA)
1975 Eugenio Montale (Itália)
1974 Eyvind Johnson (Suécia) e Harry Martinson (Suécia)
1973 Patrick White (Austrália)
1972 Heinrich Böll Alemanha)
1971 Pablo Neruda (Chile)
1970 Alexander Soljenítsin (URSS)
1969 Samuel Beckett (Irlanda)
1968 Yasunari Kawabata (Japão)
1967 Miguel Ángel Asturias (Guatemala)
1966 Samuel José Agnon (Israel) e Nelly Sachs (Alemanha)
1965 Mikhail Sholokhov (URSS)
1964 Jean-Paul Sartre (França; ele recusou o prêmio)
1963 Giórgos Seféris (Grécia)
1962 John Steinbeck (EUA)
1961 Ivo Andric (Iugoslávia)
1960 Saint-John Perse (França)
1959 Salvatore Quasimodo (Itália)
1958 Boris Pasternak (URSS; ele renunciou ao prêmio)
1957 Albert Camus (França)
1956 Juan Ramón Jiménez (Espanha)
1955 Halldór Kiljan Laxness (Islândia)
1954 Ernest Miller Hemingway (Estados Unidos)
1953 Winston Churchill (Reino Unido)
1952 François Mauriac (França)
1951 Par Lagerkvist (Suécia)
1950 Bertrand Russell (Reino Unido)
1949 William Faulkner (Estados Unidos)
1948 T. S. Elliot (Reino Unido, nascido nos EUA)
1947 André Gide (França)
1946 Hermann Hesse (Alemanha)
1945 Gabriela Mistral (Chile)
1944 Johannes V. Jensen (Dinamarca)
1939 Frans Eemil Sillanpää (Finlândia)
1938 Pearl Buck (EUA)
1937 Roger Martin du Gard (França)
1936 Eugene O'Neill (EUA)
1934 Luigi Pirandello (Itália)
1933 Ivan Bunin (Rússia)
1932 John Galsworthy (Reino Unido)
1931 Erik Axel Karlfeldt (Suécia)
1930 Sinclair Lewis (Estados Unidos)
1929 Thomas Mann (Alemanha)
1928 Sigrid Undset (Noruega)
1927 Henri Bergson (França)
1926 Grazia Deledda (Itália)
1925 George Bernard Shaw (Irlanda)
1924 Wladyslaw Reymont (Polônia)
1923 W.B. Yeats (Irlanda)
1922 Jacinto Benavente (Espanha)
1921 Anatole France (França)
1920 Knut Hamsun (Noruega)
1919 Carl Spitteler (Suíça)
1917 Karl Gjellerup e Henrik Pontoppidan (ambos da Dinamarca)
1916 Verner von Heidenstam (Suécia)
1915 Romain Rolland (França)
1913 R. Tagore (Índia)
1912 Gerhart Hauptmann (Alemanha)
1911 M. Maeterlinck (Bélgica)
1910 Paul Heyse (Alemanha)
1909 Selma Lagerlöf (Suécia)
1908 Rudolf Eucken (Alemanha)
1907 Rudyard Kipling (Reino Unido, mas ele nasceu na Índia)
1906 Giosuè Carducci (Itália)
1905 Henryk Sienkiewicz (Polônia)
1904 Frédéric Mistral (França) e José Echegaray (Espanha)
1903 Bjornstjerne Bjornson (Noruega)
1902 Theodor Mommsen (Alemanha)
1901 Sully Prudhomme (França)



Detalhe importante: em 1914, 1918, 1935, 1940 a 1942 não foi concedido nenhum Nobel.


Então prezado leitor, já leu algum ganhador do Nobel de Literatura? Eu já li um... na verdade, já li mais de um, mas comentarei sobre isso no próximo post! Até lá!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Um hotel literalmente literário!

Na próxima viagem que fizer a Alemanha não leve livros!

Recomendação no mínimo estranha, especialmente vindo de alguém que adora viajar e ler. Porém, se o seu destino for à região de Sauerland, na Alemanha, você não precisará levar nenhum livro, pois o Literaturhotel Franzosenhohl oferece mais de 2.700 livros dos mais variados gêneros.




Segundo o Uol Viagens, se você não sabe o que ler, eles sempre indicam um romance policial. É um tiro mais do que certo, com certeza! Agora, caso você não consiga terminar o livro, o hotel marca a página para você não perca a história! Isso que é pensar no leitor ou no hospede?

Ah, eu adoraria ir para esse hotel! Seria a metáfora perfeita!!! 
Porém, após a leitura da notícia, surgiu uma pergunta. Será que o Literaturhotel Franzosenhohl possui livros em português? Ou será que terei que fazer um curso de alemão primeiro?



Hilfe!!!! (Socorro em alemão)