segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Reflexões de final de ano!

Faltam alguns dias para o final do ano ou para o inicio do ano? Penso que faltam alguns dias para refletir o ano!

Já é tradição, pelo menos para mim, parar e pensar como foi o ano ou pelo menos parte do ano (Para quem não sabe, em julho, sempre posto as “Reflexões de meio de ano”). E como foi a segunda metade de 2009? Numa só palavra: Ótimo! Porém, uma só palavra não descreve tudo. Preciso de muitas e muitas palavras.

Definitivamente, 2009 foi um ano tranquilo em vista de 2008. Os problemas continuaram a fazer parte do cotidiano assim como as cobranças, as perturbações, os caderninhos... Porém, esses abacaxis foram administrados e encarados, e mais do que isso, eles foram revelados.

O convite surgiu em janeiro, durante um almoço animado entre várias amigas. A ideia era analisar as apostilas da rede pública de ensino e depois divulgar os dados, provavelmente, num congresso. A luz se fez naquele instante! Era como se toda a escuridão tivesse desaparecido! 


Finalmente eu iria falar o que sentia! Eis que setembro chega e com ele as flores e a oportunidade de dizer o que foi 2008! O que foi a proposta de reformulação do currículo de língua portuguesa feita pela secretaria estadual de ensino. O que foi quase desistir no meio do caminho...

E o Congresso de Licenciaturas da Universidade Presbiteriana Mackenzie aconteceu. E foi melhor do que imaginei! O congresso deu certo, o minicurso deu certo, a parceria deu certo! Tudo deu maravilhosamente certo! Além disso, foi a chance de reviver antigas situações. Durante os três dias de evento, voltei ao velho prédio da graduação. E voltei a trabalhar com a Bia (Só faltou a Jô!).

Confesso que a sensação foi uma mescla de estranhamento com emoção. Tudo tinha mudado, mas tudo está igual. Todos estavam diferentes, mas todos estavam... iguais? Não sei definir com precisão o que foram aqueles três dias. Porém, sei que tudo isso foi ótimo! Porque pude reorganizar ideias, retomar projetos, repensar sonhos! De repente, o que parecia estar esquecido, ressurgiu. Ressurgiu com mais força e clareza, pronto para conquistar o mundo!

E é o mundo que tenho conquistado desde novembro deste ano. Inesperadamente, assim como em 2008, recebo um e-mail. Nessa mensagem eletrônica, Tatiana Monteiro, autora do Proseando, convida-me para ser colunista em seu site Prosa em Verso. O assunto da coluna seria Literatura. Por um minuto, achei que estava sonhando, mas não. Era realidade. Uma realidade que nunca me passou pela minha cabeça, pelo menos não por estes dias!

Desde então, além de apaixonada por Literatura e dona do Palavra Escrita, sou também colunista. Uma colunista inexperiente, diga-se de passagem, mas felicíssima com o Conversa Metafórica! e com o projeto todo. Realizei um sonho e apesar do medo de falar besteira (Estou distante anos luz de Antonio Candido e Roberto Schwarz), estou aprendendo muito! Além de estar adorando muito também! Entretanto, que um fato supera todos esses acontecimentos, no quesito provocar fortes emoções!


* * *

O dia amanheceu com sol, mas logo a chuva aparece e o leva embora. Porém, ela não foi capaz de esfriar o calor e a alegria que sentia. É curioso pensar, que há exatos 3 meses e vinte dias, não conseguia escrever devia a grande felicidade.

O mês era setembro. O mês das flores. O mês da primavera. E é também o mês da Livia! Uma linda menina, de pele branquinha e grandes olhos azuis. Primeira filha, primeira sobrinha, primeira neta, primeira criança. Primeira descendente. Continuação. Legado. Futuro.

O nascimento da Livia, com certeza, foi um grande evento. Na verdade, continua sendo um grande fato. Cada sorriso, cada choro, cada gritinho, é motivo de festa. Até os barulhos mais inconvenientes causam, digamos assim, a alegria do povo! Estranho, não? Mas isso não importa muito, o importante mesmo é a sensação de felicidade constante. Tal sentimento não acabou e provavelmente não acabará tão cedo. E mesmo que sua chegada tenha ultrapassado todos os outros acontecimentos que citei, a Livia veio para iluminar o inicio de um novo ano.

Porque toda nova jornada exige luz. Iluminação. Claridade. E definitivamente, 2009 foi assim e 2010 continuará assim também: Lividamente Límpido e Iluminado!

Nenhum comentário:

Vazio

Após o incêndio, não resta nada. Não sobrou nada. Não há mais nada. A História e as histórias que o Museu Nacional, Quinta da Boa Vista, no ...