segunda-feira, 26 de julho de 2010

Repete!

Quantas vezes você consegue ler o mesmo texto, assistir ao mesmo filme ou ouvir a mesma música?

Durante os últimos meses, enquanto ensaiava meu retorno ao Palavra Escrita, notei que estava lendo, assistindo e ouvindo muito a mesma coisa. Dessas três modalidades, as que mais se repetem são o ler e o ouvir.

De repente, comecei a ouvir não uma, ou duas, ou três vezes, mas incontáveis vezes o mesmo CD ou seria os mesmos CDs?, que são ouvidos milhões de vezes no decorrer do dia. O mesmo ocorre com a leitura: tenho relido alguns textos a exaustão. Já perdi as contas de quantas vezes reli determinado texto.

E o que há de estranho nisso? Soa esquisito reler um certo texto ou ouvir sempre a mesma canção ou CD? Ou quem sabe, rever o mesmo filme?

Segundo os comentários, postados anteriormente, tudo isso é relativo ou depende da paciência, do gosto. Porém, todos focaram num ponto importante: quando se gosta do texto, da música ou do filme, repetir é sempre bom.

Entretanto, essa repetição tem se revelado engraçada, pelo menos para mim. Por mais que eu tente não ouvir a mesma música, quando abro o Media Play, escuto SEMPRE as mesmas! É praxe ouvir pelo menos uma vez no dia, as trilhas sonoras dos filmes: TRANSFORMERS – The Movie e TRANSFORMERS, de 2007. (Recomendo a trilha sonora do primeiro filme, que é de 1986, assim como a própria animação, do mesmo ano. Sim. É desenho. Ou você pensou que o filme do Bay era novidade?). Seguida da trilha de Notting Hill Soundtrack (Tem lindas músicas, especialmente “When you say nothing at all” de Ronan Keating.)

Engraçado, não? Alguém poderá dizer que é doideira ou algo próximo disso, mas ouvir todo dia o mesmo CD nunca é.... demais! Ao ouvir sempre a mesma canção é como se eu tentasse manter a emoção viva. As músicas que estão nos CDs indicados acima, deixam-me tão leve e relaxada que não é possível ouvir só uma vez. É clichê, porém, ouvir boa música é como viajar, sonhar... É claro que a melodia, a letra da música colabora muito para repeti-la muitas vezes e sempre.

Isso vale também para a releitura. Então me vem à mente a fala de Clarice Lispector.

Em sua última entrevista dada em 1977, ao jornalista Júlio Lerner*, Clarice comentou que ganha os leitores de seus textos na releitura. Ou seja, é relendo seus romances e contos, que o leitor torna-se leitor assíduo dela. E qual seria a relação entre Literatura e releitura?

A resposta é simples: reviver a emoção, observar detalhes que na primeira leitura passaram despercebidos. Como estudiosa da Literatura, reler um texto é essencial, pois é impossível captar numa primeira leitura todas as particularidades da obra, esteja ela em prosa ou em verso. No caso de Clarice Lispector, por exemplo, ao reler seus textos, SEMPRE, descobrem-se novas cores, novos ângulos... é quase como se visualizássemos uma nova paisagem. Uma paisagem que anteriormente não foi vista ou lida.

Além disso, quando se encontra um texto, como, por exemplo, “Amor”, publicado em Laços de família, é praticamente impossível não ler mais de uma vez. Na verdade, depois da terceira leitura, perdi a conta de quantas vezes li esse conto de Clarice Lispector.

Quanto à pergunta feita no poste anterior e retomada neste, confesso que já perdi a conta de quantas vezes li, ouvi ou assistir à mesma coisa. Entretanto, para não passar a impressão de desligada, aqui vão os números.








Perdão, mas a calculadora aqui deu erro e parou no 999999999!






*Entrevista de Clarice Lispector dada ao jornalista Júlio Lermer pode ser vista no Youtube. Para ver a primeira parte da entrevista, entre aqui.

Agradeço também os comentários do Joakim Antonio, da Ellen A. e das Letras, as palavras resumindo as histórias que ajudaram a compor a minha resposta post. Valeu!

2 comentários:

Joakim Antonio disse...

Que legal ter contribuído :)

A repetição é muito importante também, há até um estudo sobre isso que depois de 10.000 vezes algo se torna automático.

De repente estamos nos aperfeiçoando, quantos escritores apenas liam e um dia descobriram que sabiam escrever bem!

Beijos e ótima semana!

Cláudia Dans disse...

oi Joakim!

Realmente repetir uma leitura é importante mesmo, mas não sabia que existe um estudo sobre isso! Mas como você disse, logo logo vai se tornar automático! :)

beijos e boa semana pra você também!

Vazio

Após o incêndio, não resta nada. Não sobrou nada. Não há mais nada. A História e as histórias que o Museu Nacional, Quinta da Boa Vista, no ...